Páginas

terça-feira, 27 de março de 2012

Carne vermelha não é bom, camarada!


Esse assunto é de utilidade pública. Todos já estão cientes que carne vermelha não é saudável, não é sustentável,não e barato,não é necessário e ainda aumenta o risco de morte.

Acompanhe esta matéria cujo assunto saiu nos maiores telejornais do país.



Repórter: Francine Cadore Designer: Pabla Vieira

Alimento pode ser substituído por leguminosas, cereais e oleaginosas.

Substituir a ingestão diária de carne vermelha por leguminosas (soja, feijões e lentilha), cereal (arroz selvagem, aveia e milho) e pelas sementes oleaginosas (castanha, noz e amendoim) pode ser o caminho para uma alimentação mais saudável e uma vida duradoura. Uma pesquisa recente, feita por pesquisadores da Universidade de Harvard, em Massachussets, nos EUA, dá evidências que comer carne vermelha todos os dias aumenta o risco de morte prematura em 13%. Se a ingestão diária for de carne processada, presente na salsicha, linguiça e nos embutidos, o risco pula para 20%. Conforme a nutróloga Isabela M. B. David, para ter hábitos saudáveis, não é preciso riscar a carne e seus derivados do cardápio, basta consumi-los com moderação.

Os especialistas norte-americanos chegaram aos resultados depois de acompanharem os hábitos alimentares de 120 mil pessoas, 37.698 homens durante 22 anos e 83.644 mulheres por 28 anos. Os participantes que comeram uma porção diária de carne vermelha, cerca de 85 gramas, apresentaram um risco 13% maior de morrer do que aqueles que a ingeriram com menos frequência. Quem consumiu carne processada registrou um risco 20% maior.

Conforme os autores, entre 7% a 9% das mortes poderiam ter sido evitadas se os participantes tivessem comido menos da metade da porção diária de carne vermelha. A nutróloga Isabela compartilha da opinião dos pesquisadores e acredita que reduzir a ingestão do alimento e equilibrar a alimentação é a melhor saída. “Não precisamos nos prender a variações estatísticas, devemos, sim, optar pela carne vermelha magra, com pouca gordura. Já a ingestão de carne processada deve ser ocasional. A moderação é sempre uma recomendação sensata”, diz a nutróloga.

Apesar de recomendar a redução do consumo de carne vermelha, Isabela ressalta que as carnes bovina, de vitela e suína são imensas fontes de nutrientes como ferro e zinco. A ingestão também é uma excelente fonte de acesso às vitaminas B12 e B6, além da niacina.

A nutróloga cita Walter Willet, um dos maiores epidemiologistas do mundo, da Escola de Saúde Pública de Harvard, para explicar que a dieta saudável deve manter uma proporcionalidade de alimentos. Walter criou um modelo de pirâmide alimentar, no qual a carne vermelha ocupa o topo, devendo ser consumida, em geral, de uma a duas vezes por semana. Para não perder os nutrientes e ter uma vida mais saudável, a dica é incluir peixes, ricos em ácido graxo ômega-3, carnes de ave sem pele, ovos e laticínios com baixo teor de gordura na sua dieta.

Saiba mais sobre a pesquisa

_ 120 mil pessoas, 37.698 homens e 83.644 mulheres foram acompanhados por 22 e 28 anos respectivamente.

_ Os pesquisadores dizem que a carne vermelha processada contém gorduras processadas, sódio, nitritos e outras substâncias nocivas que podem desencadear doenças crônicas, cardíacas e até câncer.

_ Entre 7% a 9% das mortes durante o estudo poderiam ter sido evitadas se os participantes consumissem metade da porção diária de carne vermelha habitual

_ A pesquisa “Red and processed meat consumption and risk of incident coronary heart disease, stroke, and diabetes mellitus: a systematic review and meta-analysis” (O consumo de carne vermelha e processada e risco da incidência de doença coronariana, acidente vascular cerebral e diabetes mellitus: uma revisão sistemática e meta-análise) foi publicada no periódico científico Circulation, edição 121, em março de 2012.

Fonte: Portal Unimed

Um comentário:

Bibia Bueno disse...

Ai... eu parei e voltei. :((((

Mas dou uma evitada. :((((

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...